Triste realidade das revistas

Observatório da Imprensa

Por Mauro Malin em 08/06/2013

Circulação das revistas em queda

O Grupo Abril anunciou na sexta-feira (7/6) uma série de demissões. Segundo a publicação Meio & Mensagem, “cerca de 70 cargos, a maioria de executivos, foram cortados” (leia aqui). A Meio & Mensagem informa que a lista de “produtos a serem descontinuados” (passe a linguagem) será divulgada a partir de segunda-feira (10/6).

As decisões da empresa não têm relação aparente com a morte de Roberto Civita, em 26 de maio. São decisões tomadas diante da realidade dos fatos do mercado editorial e publicitário. De acordo com dados publicados pelo IVC, a situação das revistas do Grupo Abril não é confortável. Seu carro-chefe, a Veja, estacionou num patamar aquém de 1.100.000 exemplares. Na verdade, entre 2010 e 2012 a circulação média por edição da revista caiu 1,35% (de 1.086.200 para 1.071.500).

Entre 23 títulos da editora com circulação média acima de 100 mil exemplares, apenas cinco cresceram: Caras, Mundo EstranhoQuatro RodasTititi e Minha Novela. As demais 18 revistas situadas nesse patamar de tiragem ficaram estagnadas ou reduziram consideravelmente a circulação. Não há correlação necessária entre queda do faturamento e queda da circulação, porque medidas de economia podem ter sido tomadas a tempo de evitar prejuízos, mas o fato é que a participação das revistas no bolo nacional de publicidade cai ano a ano.

Os casos mais dramáticos da Abril, do ponto de vista da circulação (que se reflete no custo por mil dos anúncios, nove fora os descontos, às vezes monumentais), são os da Playboy (de 221,7 mil para 136,3 mil, perda equivalente a 38,52%), da Capricho (-30,2%), da Info Exame (-22,73%), da Nova Escola (-16,83%), da Exame (-16,1%) e da Superinteressante (-11,2%). Três importantes revistas femininas do grupo também perderam circulação: Claudia (-7,1%; trata-se de uma publicação que roda em torno de 400 mil exemplares), Nova (-9,1%; na faixa de 240 mil/218 mil) e AnaMaria (-9,5%, 229 mil/207 mil).

Editora Globo

Não é mais fácil a vida da Editora Globo. A Época caiu (sempre de 2010 a 2012, circulação média, segundo o IVC) de 408 mil para 389 mil (-4,5%), a Marie Claire, de 206,2 mil para 182,7 (-11,4%), e a Galileu, de 149 mil para 127 mil (-15%). Das demais revistas das Organizações Globo que tiram perto ou mais de 100 mil exemplares, Pequenas Empresas, Grandes Negócios está parada na faixa de 105 mil, Casa e Jardim aumentou de 120,2 mil para 124,4 (+ 3,5%) e AutoEsporte, de 103,9 mil para 109,7 mil (+ 5,6%). A revista Quem recuou de 110,3 mil para 83,2 mil (-24,5%).

Anúncios

Sobre Antonio S. Silva
Jornalista, mestre pela PUC/SP, doutor pela UnB e professor da (UFMT). Importante o diálogo para construir um país melhor.

Deixe o seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: