Jô Soares atinge recorde negativo e sofre pior derrota para Gentili

UOL

O Programa do Jô registrou a pior audiência do ano, 4,2 pontos na Grande São Paulo, e voltou a ficar em segundo lugar no Ibope da Grande São Paulo, depois de uma semana na liderança. Na madrugada desta sexta (28), Jô sofreu a pior derrota para o The Noite com Danilo Gentili: 4,3 a 6,0 pontos. Na Band, Agora É Tarde também perdeu para Gentili: 6,0 a 1,9. A Record ficou em terceiro, com 2,1.

LEIA MAIS

 

 

 

Globo vai a Goiânia atrás de audiência

Folha de S. Paulo

Primeiros capítulos incluem cidades de Goiás, numa tentativa de melhorar o mau desempenho da emissora no Estado. Próxima novela das nove pode ser a última de Manoel Carlos; autor diz que vai passar a escrever minisséries

 

ISABELLE MOREIRA LIMA

Novela de Manoel Carlos é sinônimo de Leblon, bairro nobre da zona sul do Rio de Janeiro. Mas, desta vez, outro cenário deve abrir a nova trama das 21h da Globo: Goiás. A novela tem início na cidade fictícia de Esperança, onde Helena viverá sua infância. Foram feitas gravações em locações do município de Goiás e na capital, Goiânia.

Assim como a escalação das atrizes, a escolha das cidades é estratégica para a Globo, que enfrenta na capital goiana sua pior audiência.

“Temos o enorme desafio de fazer com que as pessoas assistam à TV aqui”, disse o diretor-geral Leonardo Nogueira antes de gravar cenas com Bruna Marquezine.

Já Manoel Carlos diz que a história começa fora do Rio porque precisava de um cenário “rico, mas que mantivesse os costumes regionais”. Na vida adulta, Helena sairá de lá e viverá no Leblon.

A Folha assistiu a gravações da novela na capital goiana. Na primeira, a vida real da cidade quase interferiu na “vida real” que a novela tentava reproduzir.

Gabriel Braga Nunes (Laerte) e Helena Ranaldi (Verônica) faziam sua primeira cena em um parque, onde adolescentes fantasiados de fantasmas e zumbis cobertos de sangue falso comemoravam o Dia das Bruxas.

Horas mais tarde, no centro, Helena (Bruna Marquezine) vivia seu romance juvenil na saída de um baile de formatura, ao lado do primo, vivido por Guilherme Leicam.

A cena, que se passa nos anos 1990, era composta por figurantes com longos vaporosos e penteados extravagantes, além de Opalas e Chevettes estacionados.

A novela será dividida em três fases que se passam nos anos 1980 e 1990 e em 2014. Além de Goiás e do Rio, Viena será cenário.

A cidade foi escolhida, diz o diretor Jayme Monjardim, “por ser musical”, uma vez que a novela conta com ao menos quatro músicos entre os personagens principais.

Mas Monjardim afirma que nenhum desses elementos deve ser a principal marca da obra: “Nada fala mais alto nas novelas do Maneco [Manoel Carlos] do que o próprio Maneco. O desafio é não atrapalhar o texto dele.”

O autor diz que essa será sua última novela. Esse anúncio já fora feito há dez anos, quando ele lançou “Mulheres Apaixonadas” (2003). “Cheguei aos 80 anos e prefiro parar enquanto me julgo ainda capaz de encarar essa empreitada”, afirma.

Ele diz, no entanto, que não está se aposentando: quer escrever minisséries e pode ainda experimentar o formato dos seriados.

Concorrente do Ibope quer entrar no país em novembro

Folha de S. Paulo

Pode ser assinado em outubro o contrato entre as emissoras SBT, Record, Band e RedeTV! com o GfK, instituto que oferecerá um novo aferidor de audiência em televisão no Brasil, fazendo frente ao Ibope.

A Folha apurou que o CEO do grupo alemão GfK, Matthias Hartmann, virá ao país para uma reunião final com os dirigentes desses canais. A ideia é selar o acordo com os novos clientes, para se estabelecer no Brasil já em novembro. O GfK pretende ter os índices iniciais de sua pesquisa de audiência no primeiro semestre de 2014.

O instituto promete uma amostragem de audiência de TV maior, mais rápida e mais barata que a do Ibope.

As quatro emissoras já chegaram a um denominador comum com relação ao preço que será pago aos alemães e ao rateio do mesmo, mas ainda negociam termos jurídicos e técnicos do contrato.

A Globo, que chegou a fazer alguns contatos com o instituto, não demonstrou ainda estar interessada em uma nova pesquisa de audiência.

Para o presidente do Ibope, Carlos Montenegro, o incentivo para a chegada de um outro instituto é uma espécie de pressão das emissoras que vivem em pé de guerra com a atual medição de audiência. Ele acredita que os números do novo instituto serão similares aos do Ibope.

Consumidores ‘sem-TV’ já são 5 milhões nos EUA

O Estado de S. Paulo

Pelo menos cinco milhões de norte-americanos já abriram mão da televisão. Os principais motivos que levam as pessoas a abandonarem o televisão são o custo e a falta de interesse. E a internet e a disponibilidade de conteúdo em várias plataformas são os substitutos dessa mídia tradicional – como diz a Nielsen no título da pesquisa, zero TV não significa zero vídeo.

 Dessas 5 milhões de pessoas que pararam de assistir à televisão, 67% acessam conteúdo em outros lugares (16% no computador, 6% no tablet e 8% no smartphone). Quem ainda tem o aparelho o usa para outra funções: jogar games, assistir DVDs ou mesmo navegar na internet. 25% dos entrevistados não têm mais televisor em casa.

O número está aumentando — mas não tão rápido assim. Em 2007, o número de americanos que abandonaram a TV era de 3 milhões. À primeira vista, parece que as emissoras de televisão podem ficar tranquilas — afinal, 95% dos americanos ainda assistem à televisão convencional — mas é preciso notar que a mudança se concentra nas faixas etárias mais jovens  e deve se consolidar com o tempo.

Quase um quarto das pessoas entre 25 e 34 anos não têm TV em casa. E a maioria dessas pessoas vive sozinha e não tem filhos em casa.

E por que as pessoas estão deixando de ter televisão? O principal motivo é o custo: 36% das pessoas responderam ter cortado as despesas. O segundo motivo, apontado por 31% dos entrevistados, é falta de interesse. Cerca de 23% dos assinantes do serviço de vídeos sob demanda Netflix, por exemplo, cancelaram a sua TV por assinatura, segundo o estudo.

Record volta a crescer na faixa das 22h

Folha de S. Paulo

Depois de uma crise que assolou a sua dramaturgia, a Record começa a respirar mais aliviada. A rede, que viu sua audiência despencar durante a exibição de “Máscaras”, em 2012, aos poucos retoma o segundo lugar em audiência no horário com “Balacobaco”.

A trama de Gisele Joras estreou em outubro passado, na faixa das 22h, pegando pela frente uma audiência na casa dos seis pontos, o que deixava a rede em terceiro lugar, atrás de Globo e SBT. Cada ponto equivale a 62 mil domicílios na Grande São Paulo.

A estreia de “Balacobaco” foi boa, marcou oito pontos.

Mas logo a novela caiu e a Record voltou a perder da concorrência.

Em novembro, a trama registrou média de 5,8 pontos, ante 10,2 pontos do SBT.

Em janeiro, o folhetim reagiu. Subiu sua média para 6,8 pontos e começou a incomodar o SBT, vencendo o “Programa do Ratinho”.

Em fevereiro, veio a virada. “Balacobaco” marcou 8,1 pontos de audiência, ante 6,9 pontos do SBT.

Se mantiver esse ritmo, o folhetim entregará a faixa das 22h com ibope em alta para a sua sucessora, a nova versão de “Dona Xepa”. A Record espera alcançar média de dois dígitos no horário.

A novela adaptada por Gustavo Reiz já começou a ser gravada e deve estrear em abril na emissora paulista.

Assinatura A Globo acaba de fechar acordo com a operadora de cabo Norwood Light Broadband para exibir o seu canal internacional no Estado de Massachusetts (EUA). Com a parceria, chega a 18 o número de operadoras que exibem a Globo em solo americano.

TV: queda de audiência no carnaval

Folha

O Carnaval está perdendo o seu poder de sedução com os foliões do sofá, aqueles acompanham escolas de samba e trios elétricos somente pela televisão.

Segundo dados do Ibope, a transmissão do desfile das escolas de samba de São Paulo, na última sexta-feira, sofreu queda de 27% de audiência em relação ao ano anterior. A Globo registrou média de 8,3 pontos, ante 11,1 pontos no primeiro dia de folia em 2012. Cada ponto equivale a 62 mil domicílios na Grande SP.

No sábado, a queda foi menor: a Globo marcou 10,3 pontos, ante 11 pontos do desfile paulista no ano anterior.

A emissora também perdeu espectadores nos desfiles do Rio. O primeiro dia de transmissão das escolas de samba cariocas, no domingo, marcou 7,6 pontos de audiência, ante 8,3 pontos do desfile do ano passado. Na segunda-feira, o carnaval da Globo alcançou 9,3 pontos, média um pouco menor que a de 2012, que foi de 9,6 pontos.

SBT e Band também não cresceram em ibope com as transmissões da festa no Nordeste. A média de audiência das emissoras oscilou entre um e três pontos de audiência.

A RedeTV!, que vinha registrando média na casa do 0,7 ponto, marcou um ponto com os “Bastidores do Carnaval”.

%d blogueiros gostam disto: